terça-feira, 17 de novembro de 2009

Giant Teste com 8 motos de 250cc 1975


Yamaha RD250, Suzuki GT250, Honda CB250, Kawasaki S1, Ducati 250 MkIII, MZ TS250, CZ 471 & Harley Davidson SS250


Sem precisar fazer o teste, fico com a TS 250 da MZ .....














sexta-feira, 13 de novembro de 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Yamaha TDR 180


A TDR 180 foi uma motocicleta fabricada pela Yamaha. Produzida durante o ano de 1989 até o ano de 1993.O conceito TDR nasceu em princípio no Japão, baseado em uma moto todo terreno mas com 250cc3 e refrigeração líquida.









Foi uma tentativa da Yamaha de introduzir um novo conceito de motos com suspensões e porte de uma moto trail, mas com rodas com aro 17" traseiro e 18" dianteiro ambos eram 18" até o ano de 1990 e pneus de uso urbano, relação secundária mais longa propiciando maior velocidade final em comparação à moto o qual ela é derivada conseguindo assim um conjunto muito bom para o deslocamento diário nos grandes centros urbanos.



A TDR era uma DT com carenagem integrada ao quadro,pára-lama dianteiro baixo, guidão mais estreito, rodas e pneus voltados apenas ao uso em pisos regulares. O motor ganhava potência (18 cv) e torque (1,9 m.kgf), a suspensão dianteira era mais macia (a traseira permanecia dura) e a relação final mais longa. Com peso quase igual ao da DT (105 kg) e melhor aerodinâmica, a TDR superava os 120 km/h e acelerava de 0 a 100 em cerca de 15 s, com o custo similar
ao da DT.






Tinha tudo para ser um sucesso de vendas, mas a maioria ainda optava por uma moto mais voltada para uso em trilha, onde a DT tinha mais qualidades. Talvez a própria Yamaha tenha falhado na divulgação de suas qualidades.



Poderia ter ido além, com melhor acabamento, espaço para bagagem e borracha nos pedais, para evitar que danificassem os sapatos. Sem surpreender em estilo, era válida como alternativa a um mercado já saturado de motos de uso misto.








Apostando em um modelo de uso misto, a Yamaha lançou a TDR 180 usando como base a DT 180, inspirada no conceito da TDR 250 japonesa, lançada no ano anterior. Invertendo a adaptação de oito anos antes da RX 180 à DT.

Famel - Moto portuguesa com motor Zundapp










domingo, 8 de novembro de 2009

20 anos da queda do muro de Berlim





Símbolo de uma era, o muro de Berlim, que dividiu a Alemanha por 37 anos. Caia ha vinte anos atrás.



Mais que um divisor de uma ciadade em duas, simbolizava a divisão do mundo em dois blocos: Berlim Ocidental (RFA), que era constituído pelos países capitalistas e Berlim Oriental (RDA), constituído pelos países socialistas simpatizantes do regime soviético. Mas também dividiu famílias, vidas, empresas.



Dividiu também a DKW, no lado ocidental a Auto Union, formada em 1932, da fusão de quatro fábricas alemãs: Audi, DKW, Horch e Wanderer, razão pela qual o sinbolo são quatro aros entercalados.
A empresas passava por dificuldades, e seu controle acionário foi vendido para a Mercedes.
Em meados dos anos 60, o controle acionário foi novamente vendido, desta vez para a VW, que resolveu abandonar o motor dois tempos. Para tanto, decidiu deixar de usar o nome DKW, substituído por Audi, uma das 4 empresas da antiga fusão e boa parte do parque industrial, que ficava do lado oriental, passou para o domínio soviético, e lá surgiu então num primeiro momento a IFA, que voltou a produzir em 1948 os DKW com o nome de IFA, depois alteraram os nome das motos produzidas para MZ e Simson; os carros para Trabant e Wartburg.



A DKW é apenas um exemplo dos efeitos danosos dessa separação, por isso foi escolhida aqui para representar nos 20 anos da queda do muro.