domingo, 31 de março de 2013

Audi lançará moto futurista

Agora que a Audi é dona da Ducati, fabricante italiana de algumas das mais desejadas super máquinas de duas rodas do mundo, não é de se estranhar que a marca dos quatro anéis queira se aventurar por este segmento. Tanto, que a alemã acaba de mostrar os desenhos de sua primeira motocicleta, batizada de Audi Motorrad Concept e desenvolvida pelo francês Thibault Devauze, seu irmão e também designer Marc Devauze, e o modelador digital Clement Couvreur. 
 A moto, de linhas futuristas, será equipada com um motor Ducati Desmodromic L-twin de 850 cilindradas, acoplado a uma caixa de dupla embreagem. Para o quadro, serão utilizadas técnicas de fabricação da Audi que garantem o peso mínimo de seus carros, como fibra de carbono e liga leve. E, além da versão convencional, Devauze prevê um modelo híbrido E-tron, tal como os veículos da marca. 

Curiosamente, Devauze já trabalhou em outras montadoras como a própria Ducati, Renault e Land Rover. Segundo ele, seu projeto foi inspirado nas clássicas motos DKW expostas no museu da Audi em Ingolstadt, uma cidadezinha no sul da Alemanha. Para relembrarmos, a DKW foi uma das quatro montadoras alemãs que se uniram em 1932 para formar a Auto Union, que mais tarde deu origem a Audi. 

O designer não titubeia sobre a entrada da Audi no mercado de motocicletas: "A ideia foi bem simples: o primeiro concorrente da Audi é a BMW, e a BMW vende motocicletas. A Audi carrega uma forte herança nesse segmento por conta da marca DKW e está sempre em busca de novos mercados – logo, as motos são uma boa oportunidade."

Em 2003, o designer Bertrand Bach criou o conceito Audi Moto, independente da montadora, que obviamente não vingou. Com a proximidade da Ducati e a vontade de expandir mercado, parece que agora vai, só resta saber quando, o que a marca não revelou.

Fonte: Carros IG

domingo, 24 de março de 2013

Bananalama entra para o livro dos recordes

Guinness World Records reconhece evento catarinense como o maior encontro de trilheiros do mundo




Agora é oficial: o Bananalama é o maior encontro de trilheiros do mundo. O que todos os envolvidos no evento dizem há anos foi finalmente reconhecido pelo Guinness World Records. Para comemorar a conquista, o clube realizou um evento no qual homenageou organizadores e autoridades, na noite desta sexta-feira, dia 22, na Pousada Vila Ecológica, em Corupá (SC). 

O título foi alcançado através da nona edição, que aconteceu em julho do ano passado e registrou a marca de 2.456 participantes, a segunda maior em toda a história do Bananalama. A primeira foi em 2011, quando 2.596 pessoas foram inscritas. O recorde só não foi registrado com o número de maior expressão porque na época faltaram alguns documentos de comprovação. 

“Como foi considerada uma categoria nova pelo livro dos recordes, o trabalho de levantamento das informações foi extremamente minucioso e levou mais de 70 dias”, explica o secretário do Clube de Trilheiros Bananalama, Juliano Cesar Baade. A documentação enviada a sede do Guinness World Records, em Londres, pesava mais de 13 quilos. 

Presente na ocasião, o prefeito Luiz Carlos Tamanini parabenizou os envolvidos pela conquista. “Alcançar esta marca foi como enfrentar uma trilha do Bananalama, cheia de dificuldades, mas vocês não se deixaram abater e foram até o fim. Graças a vocês nosso município é reconhecido mundialmente. Quero registrar aqui meu obrigado”, diz. 

O secretário de Desenvolvimento Regional de Jaraguá do Sul, Lio Tironi, ressaltou também a importância do Bananalama para a economia local. “Recebemos turistas de todo o Brasil através da realização do Bananalama, que movimentam diversos setores da economia. Corupá e outras cidades vizinhas ganham muito com isso”, afirma. 

Já o presidente da Federação Catarinense de Motociclismo, Onílio Cidade Filho, fez questão de destacar o encontro como referência no segmento. “Quem participa do Bananalama fica encantado com a organização, o tratamento, o envolvimento, enfim. Ele agrega diversas qualidades e faz desse o principal evento da modalidade no mundo. É um verdadeiro orgulho para o estado”, afirma. 
Para o presidente do Bananlama, Alisson Siqueira Wulff, o empenho de todos na busca pelo título valeu a pena. “Estamos comemorando um grande marco justo quando o evento comemora seus 10 anos. Começamos pequenos, fomos crescendo e alcançamos esta proporção gigantesca graças a dedicação de todos. Não posso deixar de enaltecer os trilheiros, que fazem a festa acontecer”, exalta. 




A próxima edição do Bananalama irá acontecer entre os dias 4 e 7 de julho, no Seminário Sagrado Coração de Jesus, em Corupá (SC). O desafio dos organizadores é bater o próprio recorde, alcançando mais de três mil inscritos para a tradicional trilha. Para isso, o evento está passando por uma transformação e promete muitas surpresas em sua programação, que deve ser anunciada em breve. 

Fonte : Bananalama - O maior encontro de trilheiros do mundo 

sábado, 23 de março de 2013

O pneu murcho da Suzuki

Em quatro anos, a marca japonesa de motos encolheu 71% e perdeu a terceira posição no mercado brasileiro. 

Por Rafael FREIRE 

O empresário paulista João Toledo, dono da J.Toledo, de Jundiaí, só tinha motivos para comemorar há quatro anos. Depois de 16 anos representando e fabricando as motos da japonesa Suzuki no Brasil, Toledo havia consolidado a marca como a terceira do País, com uma fatia de 7,4% das vendas, em 2008. Uma façanha em um mercado dominado pelas suas compatriotas Honda e Yamaha, que até hoje detêm cerca de 80% do mercado nacional. Desde então, a operação sofreu uma reviravolta. As vendas caíram 71%, passando de 142 mil unidades, em 2008, para 41 mil, em 2011. Com isso, sua participação baixou para 2,1%. O resultado fez com que a marca perdesse o posto de terceira mais vendida para a Dafra, em 2011.A queda é atribuída à falta de renovação de sua linha e ao mau relacionamento com a rede de distribuição.
 
Durante os últimos quatro anos, muitos pontos de venda da Suzuki fecharam as portas. Dos cerca de 450 registrados em 2008, apenas 340 ainda constam no site da montadora. Mas, segundo Lidacir Rigon, ex-presidente da Assuzuki, que representa as concessionárias da Suzuki, e ex-distribuidor da montadora, o número atual de revendas exclusivas está na casa dos 80. “Faltavam produtos competitivos e nossa margem de lucro caiu de 25% para 7%”, afirma Rigon, ex-proprietário de três concessionárias no Paraná. De acordo com Rigon, com a queda nas vendas, a J.Toledo baixou o preço das motos e transferiu o custo dessa redução com os revendedores. Outro fator predominante para a desaceleração das vendas, segundo Rigon, foi a paralisação da fabricação da Scooter Burgman 125 cc, uma das mais vendidas pela Suzuki. 
 
O modelo ficou fora da linha de produção por dois anos. O relacionamento entre a Suzuki e a associação dos concessionários nunca foi bom. As divergências renderam até um processo criminal de calúnia e difamação, movido em julho de 2011 pela J. Toledo contra Rigon. As queixas do ex-presidente da Assuzuki, no entanto, são compartilhadas por outros associados da entidade. “Além de vender menos, a Suzuki ainda nomeou outros revendedores na mesma região”, afirma Janaína Elly Backes, gerente-comercial da rede Ritmo, que até o início de 2011 tinha duas revendas em Porto Alegre e uma em Gravataí, no Rio Grande do Sul. Procuradas, a J.Toledo, a Suzuki Motor do Japão e a nova diretoria da Assuzuki não quiseram dar entrevistas. 
 
Fonte : http://www.istoedinheiro.com.br

terça-feira, 19 de março de 2013

Moto do futuro tem dispositivo que impede queda

A empresa Lit lançou o protótipo C1, que apesar de ter apenas duas rodas, tem um dispositivo que impede o veículo de tombar. 

 Com um giroscópio, que também foi usado no telescópio Hubble e na estação espacial internacional, a moto fica estável mesmo parada sobre duas rodas. 

 O criador Daniel Kim diz que o C1 é uma mistura de carro e moto. “Nos Estados Unidos, 70% das pessoas andam sozinhas no carro, então, faz sentido se cortar o veículo na metade”, argumenta. 

Com 40 centímetros de largura, o C1 tem grande mobilidade em cidades e faz de 0 a 60 km/h em seis segundos. 

O preço inicial do protótipo é de 24 mil dólares, cerca de 48 mil reais, mas o valor pode cair pela metade, se ele for produzido em larga escala. 

O grande foco dos engenheiros é o mercado asiático, onde por conta de custos menores, o veiculo pode ser fabricado por cerca de dez mil reais. 

Fonte : http://www.bbc.co.uk

segunda-feira, 18 de março de 2013

Indian 1916 - Réplica

Vi no blog do Flávio Gomes que a Argentina, além de Papa, tem feito replicas da Indian 1916.
Acho que este seria o caminho para pequenas montadoras também aqui no Brasil.

 Nós estamos engatinhando no mercado de réplicas, hoje começam a aparecer algumas peças de automóveis, muito aquém do nosso potencial, mas de motos, ainda não tenho conhecimento.


Réplicas de veículos então....


Maiores informações no site do Jean Tosetto que é arquiteto desde 1999 e editor do site mplafer.net desde 2001. É também autor do livro “MP Lafer: a recriação de um ícone” lançado em 2012.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Traxx Dunna 600

Para quem acompanha o blog a Traxx Dunna 600 não é novidade, já publicamos fotos dela quando foi apresentada no salão de 2011, e agora ela começa ser comercializada.
A Traxx apresenta ao mercado nacional a primeira grande chinesa. Indicada para viagens que intercalem estradas asfaltadas e trechos off road. Com preço sugerido de R$19.888,00 sem os opcionais (as duas malas laterais mais um bauleto, todos com acesso por chave e sistema rápido de encaixe). Estilosa e bem equipada, ela é oferecida nas cores vermelha, preta e azul,  com 2 anos de garantia.

Para quem tinha a CUB Star 50 como seu “carro chefe”, parece que a Traxx vem com força para a disputa pelo mercado.

Suzuki GT 250